terça-feira, 20 de abril de 2010

Entendi o Adão - Allyson Alves

Agora pequei...
E coloquei meu nome na lista negra de São Pedro.
Se é que já não estava lá.
Pra aumentar minha fama de mau.
Não sei se foi por mal... mas pequei.
E não foi a primeira vez... nem será a última...
Nessa vida mundana que eu escolhi.
Tenho comigo a minha fé, que não é pouca,
Mas a vida é mundana. Às vezes imunda.
Não é o caso. Acho que não...
Ainda não estou imerso nessa atmosfera.
Ainda respiro um pouco de ar puro.
Pelo menos em vida, não sentirei cheiro de enxofre.
E nem vou ser torturado por toda a eternidade
Por algum chifrudo de tridente na mão.
E não vou, porque essa vida mundana não dura pra sempre.
E agora? Graças a Deus?
Ele me deu livre arbítrio, mesmo que eu não tenha escolha.
Mas não quero pensar no inferno... Nem no paraíso.
Um parece ser bom demais e o outro o oposto.
Prefiro o limbo então. Seria o meio termo? A Terra?
Sei lá, mas meu nome deve estar na lista negra agora...
Como um dos milhões de quebradores das 10 regras divinas
Escritas pelo barbudo Moisés... Cutuquei onça com vara curta.
Ainda tenho a minha fé. Que não vai sumir nunca...
E talvez seja a única forma de eu me redimir.
Mas nessa vida mundana, de ser um músico mundano,
Cheio de idéias mundanas e pensamentos imundos
Vai ser um pouco trabalhoso.
Que se dane. O trabalho dignifica o homem, não é o que dizem?
É Deus... Um dia a gente vai ficar cara a cara.
E o nosso papo não vai ser tão curto, temos perguntas um para o outro.
E se no final do meu julgamento a coisa estiver feia pro meu lado,
Faço que nem o João Grilo, e já vou com a poesia decorada,
E me agarro na barra da saia de Nossa Senhora.
Cruzo os dedos, faço uma prece sincera, e peço pelo Seu amor
Que tenha piedade da minha pobre alma.
No fundo, no fundo, nós dois sabemos que eu não sou tão ruim assim.
Penso até que ainda tenho jeito, salvação, conserto... Perdão.
Castigue-me com uns puxões de orelha do meu próprio Anjo da Guarda;
A quem devo desculpas pelas inúmeras situações em que lhe dei trabalho.
Enfim, eu pequei. E talvez tenha pecado mais uma vez nesse texto,
Quase que dizendo a Deus o que fazer comigo no dia do meu juízo.
Deus sabe o que faz. Teimoso sou eu. Torto, mundano, errado.
Pobre diabo... Ops... Melhor não falar, vai que o banidão se identifica
E força uma barra pra me levar pra baixo. Deus me livre! Odeio calor.
Que o Todo Poderoso perdoe a minha sinceridade, pois,
Me arrependo só em parte, daquilo que na minha cruz se somou.

4 comentários:

Diego disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diego disse...

Não importa a reza.
Se manda,se mentaliza.
Se manda'mentaliza:são dez deles.

Dez,zehn,дзесяць,dieci,ten,δέκα,tien.

Décima vara, na décima onça de cá.
Sexta vara, na sexta onça de lá.

Seis,sechs,шэсць,sei,six,έξι,ses.

Capiste ?

Rs! ...
Adorei a última frase.

Dani Zamô disse...

Sartre disse que o inferno são os outros. Só esclarecendo: são os outros pq é através deles que vemos a nós mesmos. Sendo assim o paraíso também deve estar em nós. Somos caos... Aff, tô tão verborrágica rsrs

Marcus Desidério disse...

A delicia da existência é reconhecer que Deus é justo e o Diabo é criativo... Welcome to Jungle.